TIMBRADO .COM

     Na Espanha, o tema canários Timbrado Espanhol sempre é cercado de muita controvérsia e de interesse quanto a preservação e seleção dos canários originais (tidos como clássicos), os quais são avaliados em planilhas criadas em 1954 e reconhecida pela COM em 1962 junto com o código de canto do canário timbrado espanhol e estas mesmas planilhas são utilizadas até os dias de hoje por federações como a F.E.C.C., onde os timbres são tidos como a base do canto e também são utilizados como critério de desempate.

 

     Entretanto, também existem federações espanholas como a F.O.C.D.E., cuja a seleção de canários e a planilha empregada para julgamento está direcionada para exemplares com maior quantidade e qualidade de floreios, assim como também as notas aquosas que dão origem a aves mais melodiosas, e nesse caso o critério de desempate são justamente os canários que apresentam melhor pontuação nos floreios.

 

Ou seja, tem-se uma linha de canário timbrado espanhol tido como pertencente a uma linha clássica que estão sendo mantidos e selecionados por criadores associados a federações como a F.O.E. e F.E.C.C., dentre os quais existe uma planilha de julgamento particular que não prevalece na confederação Ornitológica mundial C.O.M., e estes exemplares tem sua pontuação calcada nos timbres e em outros giros de ritmo contínuos.

 

Existe porém, uma outra linha de canário de canto que vem sendo selecionado geneticamente por criadores associados a federações como a F.O.C.D.E. Esta linha de canários é a que prevalece em campeonatos que acontecem sob a alçada da C.O.M., onde se concentra as maiores pontuações da planilha de julgamento nos floreios, notas aquosas e variações conjuntas. Então, este é um tema de gosto pessoal de cada criador e que não se trata de discutir qual planilha ou que tipo de pássaro é o melhor, e sim de que linha de canto o criador mais gosta e quer ver cantando em sua casa e em seu aviário. A linha de canário timbrado espanhol F.O.E./F.E.C.C. é uma linha de canários um pouco mais ancestral, com muitos timbres, com tchau-tchau e piau-piau e não se reconhecem as notas de água.

 

Já a linha de canários F.O.C.D.E. são representativos de pássaros com muito mais adornos e floreios. Por haver uma outra raça de canários que era denominada de canário timbrado espanhol descontínuo e que atualmente leva o nome de floreado ou cantor español, muitos criadores passaram a denominar os canários da linha F.O.C.D.E. como sendo canários de canto intermédios, pois os criadores pertencentes a esta federação primam quantitativa e qualitativamente por giros de ritmo não contínuo e, portanto, concentram a pontuação do seu repertório nas casas de maior valor musical (floreios e notas de água) da planilha de julgamento adotada pela C.O.M., mas sem deixar de lado algumas notas contínuas.

 

A esse difícil equilíbrio pretendido pela maioria dos criadores da linha F.O.C.D.E., surge o canário intermédio, que são julgados juntos com os canários timbrado originais nos concursos respaldados pela C.O.M. De certa maneira e como se mostra na prática em nossos aviários, os canários floreados e intermédios são compatíveis, já que os canários intermédios selecionados para a melhoria de giros de ritmo não continuo, pode chegar a obter exemplares floreados e, este último, no momento que algum dos seus exemplares emitam giros de ritmo continuo, terão canários que se aproximam da linha dos intermédios. Independentemente da sua planilha de julgamento ideal, tanto os criadores de canários intermédios como os floreados, para cumprir os seus objetivos, selecionam os seus canários com base na melhoria qualitativa e quantitativa dos giros de ritmo não continuo. Situação diferente acontece com os canários originais ou clássico, já que a experiência mostra que, sem a educação com maestros, dificilmente um canário alcança a forma inata de emitir todo o repertório contido no standard da raça, e empiricamente isso pode ser comprovado escutando as canções dos nossos canários, entre o domínio dos giros de ritmo continuo e o domínio dos giros de ritmo descontinuo. Resumidamente significa que se o equilíbrio almejado por criadores de canários intermédios se inclina para o lado dos giros de ritmo continuo, o peso da canção dos de ritmo descontinuo diminui e vice-versa. O equilíbrio é muito difícil de se conseguir, mesmo no caso de educarmos os nossos canários com maestros.

 

E por esse motivo, muitos criadores preferem a qualidade em detrimento da quantidade no que se refere ao número de giros presentes na planilha de julgamento, visto que é preferível termos exemplares que emitam um determinado tipo de giros com maestria, e a medida do possível ir enriquecendo esse canto com mais variedade e qualidade, e não fazer tudo ao mesmo tempo sem se destacar em nenhum. Portanto, a criação e aperfeiçoamento dos canários de canto intermédios baseia-se na difícil tarefa de buscar o equilíbrio entre os giros de ritmos contínuos e os de ritmos descontínuo, selecionando exemplares com boa dicção, onde possam se entender vogais e consoantes com maior clareza possível, e que tenham também uma boa modulação, uma boa voz, e que esta seja harmônica e com boa musicalidade, e principalmente, que tenha genética para aprender e executar belas notas.

© 2021 · CICCBR®. Todos os direitos reservados.